10.2 C
Lisboa
Terça-feira, Março 31, 2020
Inicio Angola Em Angola, como em todo o mundo, a revolução digital está a...

Em Angola, como em todo o mundo, a revolução digital está a criar novas formas de viajar e negociar

Com uma abordagem tecnológica, as startups de Angola fazem a economia crescer mais rapidamente, gerando mais investimento e criando emprego para a população jovem do país.

Nesta edição de Business Angola, vemos algumas empresas que estão a tirar partido das Tecnologias da Informação e de uma economia mais livre. Uma delas é a Kubinga – um serviço de transporte on-line que funciona através de uma aplicação.

Kubinga, que significa “boleia”, viu o número de passageiros aumentar para mais de 20 mil por mês em, aproximadamente, dois anos. Possui 180 motoristas em Luanda, apresenta novas alternativas aos meios de transporte existentes e tem planos de expansão.

É um serviço acessível a praticamente qualquer pessoa. O fundador desenvolveu capacidades tecnológicas e de gestão no setor petrolífero e recorreu às poupanças para criar a Kubinga.


A ideia de start up está muito presente aqui. Agora temos acesso às Tecnologias da Informação, acesso ao financiamento, outras startups também estão a tentar e a ter sucesso no setor. Isso permite-nes combinar uma grande força e enfrentar o informal. Creio que as startups aqui têm uma grande vantagem: trazem tecnologia de ponta para aceder ao mercado.
Emerson Paim 
CEO, Kubinga

A aplicação funciona em 11 idiomas e a ideia foi criar uma plataforma unificada que reúne serviços, viagens e entregas. É uma forma de fazer a transição da economia informal para a economia formal.

Outra startup com um ecossistema digital é a Roque-Online. Em cerca de dois anos, passou de 250 membros para 36 mil, fazendo a ligação de mercados informais ao ar livre com os clientes.

Seguimos a equipa da Roque-Online até um mercado próximo, onde escolhem frutas e legumes para o hotel. E são clientes exigentes, só se contentam com o melhor.

Tal como Emerson da Kubinga, a fundadora da Roque-Online também trabalhou no setor do petróleo, em Angola. Aplicam tudo o que aprenderam nas startups.

A experiência na indústria de petróleo é essencial para tudo o que fazemos aqui. Adotámos o mesmo modelo, no qual analisamos tudo – desde o poço até à bomba. Analisamos os “poços”, que são os mercados em que existem pessoas, e todas estas pessoas são recursos que atuam ao longo da cadeia de valor. Depois ligamo-los aos consumidores finais, no mercado. É algo que fortalece todos os participantes no sistema.
Geraldine Geraldo 
Fundadora Roque-Online

Fonte: euronews.com

- Advertisment -

Most Popular

TURISMO uma estratégia para superar a crise

Vivemos tempos de indefinição e sobressalto, depois do cancelamento da BTL (maior feira do sector em Portugal) começou-se a prever o pior num sector...

Tem um alojamento local? Temos um aviso para si.

Muitas pessoas desconhecem que, ao retirar a casa do alojamento local, sujeitam-se ao pagamento de mais-valias no ano seguinte. Descubra como...

Turismo de Portugal lança campanha ao contrário e pede aos turistas para ficarem em casa

"As paisagens, as praias e os monumentos não vão a lado nenhum". Vídeos do Turismo de Portugal, da Madeira e...

Angola pára por 15 dias a partir de terça-feira para prevenir propagação

Angola vai fechar fronteiras, proibir aglomerações públicas com mais de 200 pessoas, suspender aulas e privilegiar o teletrabalho em empresas. As...

Recent Comments