No final do dia, isto é o mais importante…

Nicolas Mahut tem 37 anos, é tenista profissional e a semana passada protagonizou um momento incrível.

Apesar da sua posição no ranking não dar acesso a uma das competições mais importantes do ano – o Torneio de Roland Garros, Mahut recebeu um convite especial (um wild card) para poder participar.

Inicialmente, pensou recusar porque não se achava merecedor.

Mas acabou por aceitar.

Para surpresa geral, conseguiu ultrapassar os dois primeiros adversários e chegar à terceira ronda.

O próprio Mahut ficou surpreendido e revelou isso mesmo na conferência de imprensa após vencer o segundo jogo:

“O ténis é realmente incrível. 

Eu ia devolver o meu wild card para Roland Garros e aqui estou eu. 

É a magia de Roland Garros. 

Todos os anos há um francês que chega aqui e joga acima do que é habitual. Mas esse francês nunca tinha sido eu. 

Demorei 20 anos, mas chegou a minha vez”.

Mas, à terceira jornada, o sonho chegou ao fim.

Acabou por ser eliminado por Leonardo Mayer.

E foi no final deste jogo que aconteceu um momento incrível.

Quando estava sentado no banco, desfeito pela derrota, principalmente por saber que toda a sua família estava a assistir…

Eis que entra em campo o seu pequeno filho Nathaniel e o abraça com força, consolando-o.

E lembrando-lhe uma coisa importantíssima.

No final do dia, isto é o mais importante.

A nossa família, os nossos amigos, as pessoas que nos rodeiam.

A cena foi tão forte e genuína que até emocionou o seu adversário.

O nosso dia de ontem, tal como uma partida de ténis, pode ter acabado com uma derrota.

Mas isso não é o fim.

Hoje é outro dia.

Outra oportunidade de fazer as coisas bem.

Porque o nosso negócio não acaba com uma mera derrota.

Pelo contrário, essa derrota pode ajudar-nos a ficar mais fortes.

Desde que não tenhamos toda a nossa vida aí.

Desde que os alicerces da nossa existência não estejam aí.

Porque a vida é muito mais do que o nosso negócio.