Truques para escapar às comissões dos bancos

Os bancos têm vindo, nos últimos anos, a agravar os encargos cobrados aos clientes. Ainda assim, há formas de “fintar” as comissões da banca, ou pelo menos algumas estratégias para baixar os custos que lhe estão associados. Tudo dependerá das necessidades e dos serviços que cada pessoa mantém com o seu banco. Mostramos-te algumas soluções que podem ajudar-te a poupar.

Há várias propostas em cima da mesa: mudar para um banco que não tenha custos de manutenção ou contratar uma conta-pacote, por exemplo. O Negócios reuniu um conjunto de dicas para “fugir” aos aumentos de comissões, entre as quais se destacam recorrer a instituições que isentam os seus clientes do pagamento desses valores. Explicamos-te tudo, em detalhe.

Isenção de comissões: bancos online e CTT

Os custos de manutenção de conta aumentaram em quase todas as instituições financeiras. Atualmente, ter uma conta bancária representa um encargo médio anual de 47,16 euros, segundo os valores divulgados no comparador de comissões do Banco de Portugal (BdP).

E já não basta domiciliar o ordenado para ficar-se isento dos custos associados a uma conta à ordem, uma vez que maioria dos bancos já cobra por este serviço. No Bankinter a domiciliação do ordenado ainda compensa: o banco não cobra nada aos clientes que o façam.

Há mais exceções à regra? Sim. Os bancos online (Best, BiG e ActivoBank), e os CTTcontinuam a isentar os clientes da manutenção de conta e não é preciso preencher nenhum requisito (como domiciliar o ordenado) para não pagar nada.

Contas-base

Serviços incluídos iguais em todos os bancos: manutenção da conta, um cartão de débito e a sua anuidade, acesso à movimentação da conta através das caixas automáticas e de “homebanking” e um máximo de três levantamentos ao balcão, bem como depósitos, levantamentos, pagamentos de bens e serviços, débitos diretos e transferências intrabancárias nacionais.

  • Custo médio anual nessas contas: 74 euros
  • Banco CTT aplica a comissão mais baixa – 56,16 euros
  • BBVA e Deutsche Back têm as comissões mais altas – acima de 100 euros

Antes de subscrever uma conta-base devem avaliar-se as características de outros produtos, nomeadamente se é mais benéfico ter uma conta-ordenado, pagar os serviços bancários individualmente ou ter contas de serviços mínimos bancários.

Contas-pacote

Neste tipo de produto é o banco que decide quais são as operações englobadas em cada pacote. Através de pagamento mensal, os clientes têm acesso a uma conta à ordem e a outros serviços bancários (definidos pela instituição) – habitualmente contemplam os custos associados à conta à ordem, um cartão de débito e um conjunto de transferências. 

É preciso pesar os prós e contras – e fazer algumas contas – antes de subscrever uma conta deste tipo. Ou seja, perceber se os serviços incluídos e respetivos custos são vantajosos.

  • Banco CTT – único banco que isenta os clientes de custos
  • BBVA – cobra a comissão anual mais elevada: 87,36 euros

Artigo visto em 
Como fugir ao aumento das comissões da banca (Jornal de negócios)