Revolut, finalmente um cartão (quase) sem taxas

Finalmente encontrei um cartão que, ao que parece, serve os meus propósitos de viajante. Chama-se Revolut é da rede MasterCard e, entre as principais vantagens em termos financeiros, contam-se as taxas inexistentes ou reduzidas e o facto de, alegadamente, usar taxas de câmbio mais favoráveis que os bancos tradicionais.

Isto para além de poder bloquear e desbloquear o cartão através da app (por exemplo, se perder o cartão pode bloqueá-lo imediatamente; se depois encontrar o cartão pode voltar a desbloqueá-lo – como é que os bancos não pensaram nisto antes?), e ainda de poder impedir a utilização do cartão se ele estiver afastado do seu telemóvel (por exemplo, se for roubado sem que dê conta disso).

Adiante, explico outras vantagens e desvantagens, mas por agora centremo-nos na questão das taxas.

À procura do cartão ideal para viajar

Há muito tempo que procuro um cartão que não me cobre cerca de 5% em taxas e imposto de selo, sempre que uso um ATM para levantar dinheiro na Ásia, nas Américas ou mesmo no Reino Unido. É quanto me custa levantar dinheiro nessas latitudes com o meu cartão do BPI.

Por isso é que, sempre que os indivíduos do Barclays Card me ligavam a impingir os seus cartões de crédito, eu dizia que, se tivessem um cartão que não cobrasse taxas nos levantamentos fora da Zona Euro, eu assinava na hora. Como é evidente, mudavam rapidamente de assunto tentando fazer-me ver as vantagens do cartão. Não havia. Deixei de tentar, e comecei a dizer que estava desempregado (e a conversa terminava em 10 segundos).

Testando o Cartão Revolut em viagem

Tinha instalado a app Revolut há já algum tempo mas, por um motivo ou por outro, ainda não tinha adquirido o cartão propriamente dito. A recente viagem de três semanas que fiz , foi o momento perfeito para experimentar o cartão. Queria comparar os custos dos levantamentos.

Antes da partida, transferi exatamente 200€ da minha conta BPI para o cartão Revolut. Deixei passar dois ou três dias para o dinheiro chegar à conta do cartão e, já no Brasil, fiz o teste.

Na mesma ocasião, levantei R$ 500 com o meu habitual cartão BPI e, logo de seguida, na mesma máquina de levantamentos automáticos, levantei a mesma quantia com o cartão Revolut. Dias depois, conferi os movimentos bancários e, sem surpresa, poupei dinheiro com o Revolut. Convertidos em euros, os custos foram os seguintes:

BPI

  • Levantamento, convertido em euros: 134,57€
  • Taxas e impostos: 7,16€
  • Total: 141,73€

Revolut

  • Levantamento, convertido em euros: 134,48€
  • Taxas e impostos: 0€
  • Total: 134,48€

Poupança: 7,25€ num levantamento de +- 135€

Entre “Comissão de Levantamento Fora da Zona Euro ATM”, “Comissão de Levantamento Fora da Zona Euro”, “Comissão de Processamento de Levantamento Fora da Zona Euro”, “Comissão de Conversão de Moeda” e respetivos impostos de selo, o BPI cobrou-me um total de 7,16€ de taxas. Ou seja, 5,32% do dinheiro levantado foi adicionado em taxas bancárias e impostos. Já o Revolut, pelo mesmo levantamento, cobrou-me zero.

Ou seja, em menos de 135€ levantados poupei 7,25€. Multiplique isso por dezenas de levantamentos durante uma viagem e poupará centenas de euros em taxas e impostos conexos.

O Revolut cobra 2% por levantamento, a partir dos 200€ mensais (ou seja, os primeiros 200€ que levantar em cada mês estão isentos de taxas). Se eu já tivesse ultrapassado esse limite, o levantamento ter-me-ia custado 2,68€ em taxas. Mesmo assim, cerca de um terço do que me cobrou o BPI.

Conclusão

Ao contrário do que eu supunha, a taxa de câmbio usada pelo BPI e pelo Revolut foi idêntica. Não sei se os outros bancos portugueses são tão generosos quanto o BPI, mas a verdade é que neste aspeto os ganhos do Revolut foram irrelevantes.

Tinha lido um relato de uma viajante britânica que saiu muito beneficiada na conversão, comparando com levantamentos do namorado que usou um cartão “normal”, mas no meu caso isso não se verificou.

Aparentemente, a vantagem verifica-se quando se converte o dinheiro dentro da própria app, entre euros, libras e dólares (e, desde o início de julho de 2017, 11 outras moedas). Por exemplo, se eu viajar para os Estados Unidos da América, antes de levantar dinheiro deverei converter a quantia que quiser levantar de euros para dólares, e só então fazer o levantamento numa caixa ATM norte-americana. Ao que parece, nesse caso poupar-se-á muito dinheiro só pela taxa de câmbio utilizada. Mais uma coisa para testar no futuro.

Onde utilizar o cartão Revolut

A utilização mais evidente para quem está em viagem são mesmo os levantamentos de dinheiro na moeda local nas caixas ATM. Mas há outro tipo de utilizações que são vantagens adicionais para os utilizadores (algumas ainda não tive oportunidade de comprovar). A saber:

  • Compras em viagem. Se fizer alguma compra que queira pagar com cartão fora da zona Euro, usando o Revolut não paga as habituais taxas ou comissões bancárias;
  • Tal como no caso das compras, pode adicionar o cartão Revolut à sua conta na appUber ou Cabify e, dessa forma, poupar dinheiro nas viagens.
  • Compras online. Da mesma forma, se costuma fazer compras em lojas online dos Estados Unidos da América ou no Reino Unido, por exemplo, pagando em dólares ou libras, poupará dinheiro se pagar as compras usando a conta Revolut;
  • Em caso de perda ou roubo do cartão durante a viagem, pode pedir uma segunda via para a morada onde se encontra no momento. Num prazo de até 10 dias o novo cartão Revolut chegará ao seu destino;
  • Numa situação de emergência, caso fique por algum motivo sem dinheiro em viagem, pode pedir a algum amigo ou familiar que transfira dinheiro para a sua conta Revolut. Se essa pessoa for proprietária de uma conta Revolut, a transferência é instantânea (sugestão: se vai fazer uma viagem longa, faça com que alguém de confiança crie uma conta; será uma forma de rapidamente resolver uma situação de emergência financeira).

Para saber mais sobre o cartão e experimentar, visite www.revolut.com.

Pontos menos positivos

A única desvantagem que encontrei até ao momento é o facto de não ser permitido fazer transferências para a conta Revolut a partir de um normal cartão de débito. Teoricamente isso é possível mas, ao tentar fazê-lo, o sistema pede-me o código de segurança com três dígitos, normalmente visível no verso do cartão. Acontece que o meu cartão de débito pessoal do BPI não tem esse código – logo estou impedido de usar este método.

Por outro lado, a transferência usando um cartão de crédito tem um custo de 1% do valor transferido, o que dilui um pouco as vantagens financeiras da utilização da conta Revolut.

Resta, portanto, a transferência bancária internacional, que demora dois ou três dias úteis até que o dinheiro fique disponível.

Revolut Premium

O Revolut tem um serviço Premium, com mensalidade, que alegadamente tem vantagens adicionais. Não me alongarei a esse respeito porque nunca utilizei a conta Premium e, por isso, não tenho experiência no assunto.

Seja como for, a conta normal do Revolut já me conquistou. Espero voltar a usá-la em viagens futuras para fora da Zona Euro; e, se houver algum aspeto novo e relevante, acrescentarei a este post para benefício coletivo. Por enquanto, sou um utilizador convicto.

Se já utiliza o cartão Revolut nas suas viagens, partilhe na caixa de comentários as suas experiências – positivas ou negativas – com a utilização do cartão. Serão com certeza de grande utilidade para a comunidade de viajantes. Obrigado.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *